Por Vítor Boaventura Xavier

A Financial Conduct Authority (FCA) provocou o judiciário a se manifestar em relação às questões de cobertura dos seguros de interrupção dos negócios (business interruption), emergentes com a pandemia de Covid-19. 

O mercado segurador britânico, em tendência que já começa a se reproduzir também no Brasil, está muito pressionado com as demandas de empresas contra os seus seguradores, após negativas de coberturas dos prejuízos sofridos com a paralisação das atividades como parte da estratégia de contenção do avanço do novo coronavírus. 

O que se observa no Reino Unido é que essa pressão é muito forte especialmente por parte de pequenas e médias empresas, que sofreram muitos prejuízos e veem nessas apólices uma alternativa mitigatória fundamental. 

A ação “teste”organizada pela FCA pode impactar centenas de milhares de contratos de seguro. Com a ação, o regulador financeiro procura esclarecer aspectos-chave, e remover os entraves que os principais seguradores impuseram como forma de negar a cobertura de maneira ampla e genérica, principalmente às pequenas e médias empresas, que não acessam com tanta facilidade a linguagem e defesa técnica necessárias à contraposição dessas negativas. 

As repercussões e o resultado desse caso você acompanha nas próximas edições da Poranduba!